sexta-feira, 10 de abril de 2020

Ex-vice de finanças, Wallim revela situação delicada do Fla em 2013: “Se fosse empresa, teria ‘quebrado'”



No último dia 31, o Flamengo divulgou o balanço de suas finanças referentes ao ano de 2019. A grande fase do Mais Querido com os títulos, principalmente, do Campeonato Brasileiro e da Libertadores da América, no ano passado, refletiu também fora das quatro linhas. O clube carioca vem se destacando também pela eficiência de gestão no que diz respeito às suas contas. Com uma receita bruta de R$ 950 milhões, o Rubro-Negro bateu recorde.


Um dos responsáveis pelo começo da reestruturação financeira do Mais Querido, foi o ex vice-presidente de finanças do clube, Wallim Vasconcellos. Ele chegou a ser vice-presidente de futebol na primeira gestão do ex-presidente Eduardo Bandeira de Mello entre 2012 e 2014, quando renunciou a pasta. Sobre a atual situação financeira do Fla, Wallim disse em entrevista ao Sports Value que, quando Bandeira assumiu, o clube estava próximo de entrar em falência.

— O Flamengo estava numa situação ‘pré-falimentar’ e, se fosse uma empresa, já tinha quebrado. A gente juntou algumas boas cabeças, pessoas que entendiam que o Flamengo tinha solução. Chamavam a gente de maluco, falavam que não tinha solução, mas a gente falava que, para um clube que tem a torcida do tamanho da torcida do Flamengo, claro que tinha solução. Era só colocar gente com credibilidade. Com paciência, a gente consegue -, disse antes de completar:


— Nas horas difíceis, principalmente entre 2012 e 2013, um levantava o outro. E acredito que o mais importante foi manter um planejamento desde o início e não sair nem um milímetro dele. Não ter saído da linha foi fundamental para que o flamengo chegasse na posição que está e, mais ainda, está preparado para enfrentar esse mundo maluco que estamos vivendo hoje. Óbvio que vai sofrer, mas vai conseguir sair maior ainda disso tudo -, concluiu.

Entre os fatores fundamentais para a receita recorde do Flamengo em 2019, está a venda de atletas, no qual o Mais Querido adquiriu R$ 294 milhões; outro ponto foi a arrecadação das bilheterias. Com méritos à Nação Rubro-Negra, o clube atingiu a receita bruta de R$ 109 milhões neste quesito, com resultado líquido de R$ 48 milhões.

Além disso, o programa de sócio-torcedor recebeu R$ 61 milhões. Para ajudar na soma final, também contam os valores pelas premiações dos títulos conquistados: R$ 148 milhões. Já as mídias digitais, somam R$ 120 milhões. Além de patrocínios e publicidade, que juntos somam R$ 78 milhões.


Fonte: https://colunadofla.com/2020/04/ex-vice-de-financas-wallim-revela-situacao-delicada-do-fla-em-2013-se-fosse-empresa-teria-quebrado/

Curta nossa Página




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário