Flamengo vai precisar mais do Gabigol artilheiro que do "garçom" nas finais




Mas desde as quartas de final de Copa do Brasil e Libertadores, momentos em que, de fato, as competições afunilaram para o time, o camisa nove foi às redes apenas duas vezes, enquanto o companheiro de ataque foi decisivo com seis dos 14 gols marcados pela equipe de Dorival Júnior.


O Internacional foi um teste interessante no Maracanã. Competindo em alto nível por ainda ter chances matemáticas de título brasileiro, a equipe de Mano Menezes fez o que provavelmente será a estratégia básica de Corinthians e Athlético:


Fechar o meio e o corredor direito, negando espaços para a ultrapassagem de Rodinei, deixando o lado oposto para um Filipe Luís que nunca foi agressivo na chegada ao fundo, ainda que tenha acertado belo cruzamento para Pedro no primeiro tempo. Com a bola, forçar pela esquerda para cima do lateral reconhecidamente frágil na marcação e que ainda sofre com a lenta cobertura de David Luiz e o auxílio pouco efetivo sem bola de Everton Ribeiro.


Se Pedro Henrique, a válvula de escape de Mano, estivesse mais inspirado no acabamento das jogadas, passando ou finalizando, o Flamengo teria sofrido bem mais na defesa. Ainda mais se o Colorado tivesse um substituto de nível parecido para insistir nos ataques ao "mapa da mina" do adversário.

Na frente, o problema de Dorival foi que as ações ofensivas dependiam demais da criação de Arrascaeta e das finalizações de Pedro. Sem o uruguaio, poupado no início da segunda etapa pela pubalgia que vai acompanhar o uruguaio até o fim do ano, o time abriu Matheuzinho, substituto de Rodinei, e Everton Cebolinha, que entrou no lugar do camisa 14, e se limitou a despejar bolas na área, com 28 cruzamentos em 45 minutos.


Ainda assim, era possível vencer. Não fossem as seis defesas do jovem goleiro Keiller e o chute no pé da trave de Gabigol, que finalizou apenas mais uma vez em 90 minutos. Pedro, concluiu quatro, duas no alvo.

É inegável que a movimentação do camisa nove é interessante, gera jogo para os companheiros. Mas muitas vezes a impressão é de que a área adversária ficou apenas para Pedro. Também a responsabilidade de ir às redes nos grandes jogos.


Além disso, Gabigol insiste nas inversões procurando um Bruno Henrique que não está mais lá. A infiltração em diagonal pela esquerda que terminou no primeiro gol contra o Red Bull Bragantino desta vez não apareceu, até pelos poucos espaços cedidos pelo Inter. E o Flamengo terminou sem fazer gols no "ensaio geral" antes da ida da final da Copa do Brasil.

Em Itaquera, depois no Maracanã e, por fim, em Guayaquil, o time rubro-negro vai precisar da face goleadora do seu camisa nove. Característica marcante desde que chegou ao clube em 2019. Além da histórica jornada em Lima, marcou também o único gol da equipe na final sul-americana do ano passado e foi decisivo em tantas partidas importantes da campanha do bi brasileiro 2019/20.


Pedro vive momento mágico na carreira, mas ainda não tem o histórico do companheiro em partidas que valem taças. Gabigol pode manter o "uniforme" de garçom, mas precisa tirar do armário a capa do herói dos gols decisivos. É disso que o Flamengo vai precisar a partir de quarta, dia 12, na Neo Química Arena.

Fonte: Uol
Imagem: Divulgação

- // -

Clique aqui para ver mais notícias do Fla

Tags

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.