sexta-feira, 24 de abril de 2020

Receita líquida de R$ 844 mi e provisão de R$ 18 mi para tragédia do Ninho: contas do Flamengo serão aprovadas por e-mail



A pandemia do novo coronavírus começou a mudar práticas também no mundo do futebol. Desta vez, o Conselho Deliberativo do Flamengo decidiu aderir a novas práticas e, na impossibilidade de uma reunião presencial, vai permitir que a votação de conselheiros para aprovação das contas de 2019 seja realizada por e-mail. O clube tem até o último dia de abril, segundo determina a Lei Pelé, para aprovar o documento.


A ESPN teve acesso ao relatório interno. O Flamengo atingiu uma receita líquida de R$ 844,9 milhões perante a receita bruta de R$ 950,4 milhões, esta última já divulgada. Além disso, aumentou o provisionamento para contigências em R$ 18 milhões referente ao originalmente orçado, especialmente devido à tragédia do Ninho do Urubu.

No quesito "acordo/execuções processuais" houve um aumento de R$ 36,1 milhões do inicialmente previsto, já incluindo aí justamente litígios de parte dos envolvidos no acidente do Ninho do Urubu. O Flamengo até o momento tem acordos com as famílias de Athila Paixão, Gedson Santos, Vitor Isaías e o pai de Rykelmo entre as dez vítimas fatais. Entre os 16 sobreviventes, o clube conseguiu acordo com todos.

Em despesas pessoais na última temporada houve um aumento de R$ 62 milhões, principalmente em relação ao repasse de prêmios ao elenco por conta das conquistas de 2019. Nas depesas também houve um acréscimo de R$ 20,7 milhões devido a comissões por intermediações de atletas. As contas do clube apontam que houve uma Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa, ou seja, uma proteção diante de possíveis fornecedores que pudessem ser inadimplentes num prazo superior a 180 dias. Constam neste caso as empresas Carabao, com R$ 7,1 milhões a pagar, e a Go Sports, com saldo de R$ 1,3 milhão.


O Flamengo permaneceu com R$ 191,8 milhões líquidos frente a uma arrecadação bruta de R$ 299,8 milhões em transferências de jogadores. As transações de Lucas Paquetá (R$ 150 milhoes), Léo Duarte (R$ 41,9 milhões), Cuellar (R$ 36,4 milhões), Jean Lucas (R$ 34,9 milhões) e Henrique Dourado (R$ 22,4 milhões) representaram 95% das transferências de jogadores em 2019.

O investimento em atletas na temporada de ouro do clube chegou a R$ 257,9 milhões. Sobre direitos de transmissões e prêmios com o desempenho esportivo, o Flamengo aponta ter superado a previsão inicial em R$ 62,8 milhões, chegando a um total de R$ 342,2 milhões. Deste montante, o Campeonato Brasileiro representou 61%, a Libertadores 8%, o Campeonato Carioca 5%, o Mundial de Clubes 5%, a Copa do Brasil 2%, além de publicidade estática (3%) e o quesito "outros" com 16%. Sócio Torcedor e bilheteria de jogos representaram R$ 175,9 milhões líquidos aos cofres na última temporada.

As contas rubro-negras foram auditadas e aprovadas pela Ernst & Young, mas com uma ressalva. O relatório financeiro aponta um saldo no ativo intangível de R$ 44 milhões referentes a "Atletas em Formação". O parecer da Comissão de Finanças do CODE recomenda uma manifestação da diretoria para entender quais procedimentos serão tomados para eliminar a ressalva. O parecer do Conselho Fiscal, por sua vez, indica entender o motivo da ressalva da diretoria, mas concorda com o posicionamento do clube em seu balanço.


Fonte: Espn

Curta nossa Página




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário