Cobertura defensiva: entenda o problema que Paulo Sousa terá que corrigir no Flamengo




Por Leonardo Miranda | GE: Mesmo que tenha vencido novamente o Vasco e irá para sua quarta final de Campeonato Carioca seguida, a versão 2022 do Flamengo ainda não é capaz de deixar nem o mais otimista torcedor seguro. Não é pelo resultado, muito menos pela forma como o time se organiza. É pela sensação de que a equipe oscila mais do que o normal e esperado.



A percepção se dá pelo desempenho contra adversários de maior nível. Contra o Fluminense, um primeiro tempo seguido de uma etapa ruim. Contra o Atlético-MG, um início avassalador e erros na etapa final. Nesse segundo duelo contra o Vasco, um sinal amarelo foi ligado: os problemas defensivos de cobertura da defesa.

Antes de mais nada: é preciso reconhecer o mérito de Zé Ricardo

O Vasco criou cinco chances de gol no primeiro tempo. Todas em jogadas semelhantes, com a zaga e os laterais desprotegidos e a dupla de volantes, formada por Arão e João Gomes, muito longe da defesa. O truque foi deixar Raniel, Pec e Figueiredo mais à frente, jogando no setor entre a linha de defesa do Fla e o meio-campo. Nenê, que fez excelente partida, buscava a bola de trás e confundia os volantes do Fla. Nesse momento se abria um espaço muito bem aproveitado pelo Vasco.



Agora, vamos entender como o Flamengo se defende

O Fla joga num 4-2-3-1. Com a bola, o desenho é bem nítido e forma uma linha de três atrás. Mas na defesa, o Flamengo se defende com quatro defensores bem alinhados e dois pontas retornando, formando uma segunda linha com os volantes. Contra o Vasco, Pedro e Arrascaeta ficavam mais à frente e quem fazia esse retorno junto aos meiocampistas foi Gabigol e Lázaro.

Só que esse quarteto ofensivo não foi bem ao tentar roubar a bola lá na frente. Eles subiam, tentavam encurtar o espaço e não deixar o Vasco jogar. Só foram pouco intensos. Veja na imagem um exemplo: Gabigol e Lázaro meio que "se desligam", e Nenê consegue conduzir a bola nas costas de Gabigol.

Pressão de Gabigol não anula a jogada do Vasco — Foto: Reprodução



No futebol, tudo está conectado. É como o filme "Efeito Borboleta": um erro lá na frente provoca uma consequência, que muda todo o futuro. A consquência da falta de pressão na frente era que Arão e Gomes tinham que subir muitos metros pra longe da defesa. Eles faziam isso para cobrir o ataque e tentar adicionar mais gente nesse momento de pressão.

O problema é que eles deixavam a defesa sem cobertura. E aí Fabrício Bruno e David Luiz se viam no mano a mano com Raniel e Pec. Estar no mano a mano aumenta a chande de erro e drible. Nesse lance, Rodinei avança pela direita para marcar Nenê, já que Gabigol deixou. Quando o passe sai, a defesa do Fla está muito exposta e os dois volantes ainda estão longe, com Arão ainda voltando.

Defesa do Flamengo fica exposta à Raniel — Foto: Reprodução



Reorganizar as coberturas pode ser uma solução

Outro exemplo: o quarteto do Fla está bem compactado. Arrascaeta até sinaliza para Lázaro subir e pressionar o zagueiro. Mas eles novamente deixam o passe sair. Se a pressão na frente tem como objetivo causar desconforto e evitar uma saída do adversário, o quarteto ofensivo precisa sufocar ao máximo, até parar na chamada falta tática.

Quarteto ofensivo não anula a jogada e volantes do Fla ficam sobrecarregados — Foto: Reprodução

Vai conseguir todas? Não vai! O jogo é essencialmente uma coleção de erros. É para estar protegido quando o adversário sair de trás que os defensores se organizam para cobrir a pressão. E o Flamengo se organizou mal nesse jogo contra o Vasco.



Paulo Sousa gosta que ao menos três jogadores fiquem sempre atrás, fazendo essa cobertura. Dois mais abertos e David Luiz centralizado. Podem ser três beques de ofício ou Filipe Luís mais recuado. Abaixo, um exemplo da cobertura mal-feita: como os volantes estão distantes, Filipe Luís salta e pressiona a bola. O zagueiro central deveria fazer isso e os zagueiros laterais acompanham os pontas. David Luiz está muito longe, o que sobrecarrega Fabrício Bruno na cobertura.

Defesa do Flamengo fora do lugar — Foto: Reprodução

Vendo o lance, o Vasco tem quatro atacantes contra quatro defensores do Fla. É uma igualdade numérica. Mas Nenê consegue dar o passe para Pec, que tem um espaço imenso para conduzir. Há uma vantagem posicional do Vasco.



Paulo Sousa viu tudo isso e deu a explicação na coletiva:

A cobertura no corredor direito era com maior foco do João Gomes, mas em alguns momentos o Arão teve esse posicionamento. Nos primeiros 20 minutos, tão errôneos com a bola, fez com que o próprio Arrasca, em termos de intensidade, não se reposicionasse no momento da perda. Temos que estrategicamente ter elementos que nos possam favorecer. Várias vezes no primeiro tempo teve jogador do Vasco sem pressão que conseguia encontrar um companheiro livre nas costas do nosso meio de campo. Isso nos levou para trás. Nos outros jogos controlamos melhor.

Veja como novamente tudo se conecta. Não é apenas Willian Arão ou Gomes que esteve mal, mas todo o time. Se Arrascaeta não faz a recomposição, Gomes fica exposto e sobra para Fabrício Bruno. Mesma coisa pelo lado esquerdo. Pedro, por exemplo, muitas vezes não se reposicionou para recompor e pressionar a bola. São precisos pequenos ajustes de posicionamento e principalmente timing.

Além da fome de gols e títulos que o treinador português já cobrou, agora uma nova questão se abre: tornar o Flamengo mais seguro e melhorar as coberturas na defesa para não sofrer tanto na final do Campeonato Carioca, contra Fluminense ou Botafogo.


- // -

VEJA AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Imagem: Marcelo Cortes
Cobertura defensiva: entenda o problema que Paulo Sousa terá que corrigir no Flamengo Cobertura defensiva: entenda o problema que Paulo Sousa terá que corrigir no Flamengo Reviewed by NF on março 22, 2022 Rating: 5

Nenhum comentário

Deixe seu comentário