quinta-feira, 18 de março de 2021

Ceni diz que torcida só lembra de bons momentos do time de Jesus: 'Sofreu contra pequenos'



O técnico do Flamengo , Rogério Ceni, comentou nesta quinta-feira as críticas que sofreu da torcida rubro-negra em seu início de trabalho e ressaltou que a equipe multicampeã do técnico Jorge Jesus, que faturou vários títulos em sequência entre o final de 2019 e o início de 2020, também teve momentos de dificuldade.



Em entrevista ao UOL Esporte , Ceni relembrou alguns momentos em que o "invencível" Fla de Jesus penou para ganhar de equipes menores, como Fortaleza e CSA, além do Emelec, na Conmebol Libertadores, e lembrou que o título continental em cima do River Plate também foi conquistado com enorme luta.

"Eu acho que você tem que tentar atingir a excelência sempre. 2019 foi um ano fantástico. Mas vamos lembrar que, na Libertadores, o jogo contra o Emelec foi para os pênaltis, como nós também fomos para os pênaltis contra o Racing (na Libertadores 2020). E o próprio título poderia não ter acontecido. O gol de empate foi aos 88 e o gol da vitória (contra o River) saiu já nos acréscimos. Ou seja, poderia não ter acontecido o título, mesmo com o time (de Jorge Jesus) jogando muito bem", afirmou.



"Eu lembro de dificuldades contra times menores. Contra o Fortaleza, que era o time que eu estava dirigindo na época, o Flamengo ganhou no último minuto. Lembro de um jogo contra o CSA, que foi 1 a 0 sofrido para o Flamengo, com o CSA perdendo chances", recordou.

"É lógico que (o time de Jorge Jesus) tem muitas recordações boas, e é inegável que o Jesus fez um grande trabalho, mas o time dele era um pouco diferente (do atual). O Pablo Marí foi embora, o Rafinha também, o Diego se contundiu muito mais este ano, ao contrário de 2019, que ele estava bem inteiro. Então, são algumas coisas que têm que ser levadas em consideração", opinou.



"O fator público no estádio também é algo que fez muita diferença. E o aproveitamento do Gabigol nas finalizações também. Em 2019, foi na casa de 10 chutes, 7 hold. Esse ano, não foi o mesmo. E não é culpa dele, isso acontece. Tem ano que a bola entra mais fácil. Eu mesmo, quando ainda jogava, teve ano que fez 21 gols e teve ano que fiz três", argumentou.

"Esperamos agora ter um 2021 mais próximo de conquistas e de estilo de jogo mais parecido com o que o Flamengo pode ter", complementou.

Ceni também revelou que, quando chegou à Gávea, precisou lidar com uma preparação física que considerou deficitária no elenco.



Além disso, ele teve que trabalhar com vários atletas que estavam lesionados ou em recuperação de contusão.

"Não podemos esquecer que, na Copa do Brasil (contra o São Paulo), nós tínhamos o Everton Ribeiro na seleção, o Pedro na seleção e lesionado, o Diego, o Filipe Luís e o Rodrigo Caio no departamento médico, o Arrascaeta voltando de lesão... Era um time totalmente diferente do que acabou o ano jogando (no Brasileiro)", salientou.



"O time, quando eu cheguei, achei que fisicamente estava um pouco abaixo para jogar da forma que eu queria, que era pressionando na marcação. Tanto é que tivemos ótimos primeiros tempos e depois caímos no segundo. Contra o próprio São Paulo foi assim", recordou.

"O conceito que queremos para 2021 é o que acabou o ano (de 2020) jogando. É o que a gente entende que tem que manter. Ao menos é o que eu vejo de melhor para o começo e a continuidade de 2021", finalizou.


- // -

> Veja as últimas informações sobre o Mengão em nossa página principal, Clique Aqui



Fonte: ESPN

CURTA NOSSA PÁGINA



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário