segunda-feira, 13 de maio de 2019

Flamengo muda perfil, quer mostrar força nos bastidores e tem vitória antes de duelo contra Corinthians



A revogação da mudança de data do confronto de volta do Flamengo com o Corinthians, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, não ocorreu à toa.



Em pouco menos de cinco meses, o time da Gávea mudou o seu perfil de atuação nos bastidores do futebol brasileiro. Um trabalho ainda em construção, mas que a gestão de Rodolfo Landim considera essencial para ser tão competitivo com outros clubes que atuam da mesma maneira.

Intensificar o relacionamento com Federações e Confederações do Brasil e da América do Sul. O diagnóstico é de que durante a gestão de Eduardo Bandeira de Mello, nos últimos anos, o clube sofreu com o distanciamento e até mesmo graves divergências que vieram a público, como a ocorrida com a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro).

Nesta segunda-feira, por exemplo, o vice de relações externas, Luiz Eduardo Baptista, o Bap, e o diretor da pasta, Cacau Cotta, estarão na sede da Conmebol, no Paraguai, para o sorteio das oitavas de final da Libertadores.



Tão logo o clube soube do adiamento do jogo de volta na Copa do Brasil, de 4 para 6 de junho, uma frente de atuação foi organizada para tentar revogar a ação da CBF.

O clube entende que poderia perder cerca de cinco jogadores convocados para a Copa América, casos de Arrascaeta (Uruguai), Cuéllar (Colômbia), Trauco (Peru), Piris da Motta (Paraguai) e até mesmo Rodrigo Caio, sempre muito elogiado pelo técnico da seleção brasileira, Tite.

Os jogadores devem se apresentar às seleções no dia 3 de junho, início da data Fifa, mas um dia é considerado negociável com as confederações. Três dias, caso o jogo fosse realizado dia 6, parecia improvável.



Diante disso, Bap, Cotta e o próprio presidente, Rodolfo Landim, entraram em campo. Vice de futebol, Marcos Braz externou a insatisfação em seu Twitter pessoal. Entre conversas com a federação carioca e CBF, os dirigentes buscaram um entendimento sobre o tema. O acordo foi selado em um contato direto entre Landim e o novo presidente da CBF, Rogério Caboclo.

Inicialmente, a CBF justificou em ofício a mudança do jogo para o dia 6 de junho devido a "permitir manejo do gramado adequando-o às exigências da Conmebol Copa América Brasil 2019".

O texto causou curiosidade, já que o tempo para acerto do gramado seria reduzido e não aumentado.



Desde o dia 20 de abril, Flamengo e Fluminense são os gestores do Maracanã. O clube rubro-negro, via Landim, garantiu que o gramado estará em boas condições para a competição de seleções, que tem início no estádio marcado para 16 de junho, na partida entre Paraguai e Catar.

Imediatamente, a CBF divulgou no início da tarde de domingo o retorno do confronto com o Corinthians para o dia 4 de junho, uma terça-feira, no Maracanã. O retorno da data foi considerado, internamente, um cartão de visitas ao meio de um Flamengo menos passivo.

Reaproximação da Ferj, visitas à Conmebol e posse de Caboclo

A possibilidade de contato mais direto com o presidente da CBF, Rogério Caboclo, é apenas um dos exemplos que resultaram na participação do Flamengo de forma mais intensa nos bastidores.



No início de abril, Bap e Landim estiveram na posse do presidente da CBF. Entraram e saíram sem conceder entrevistas, mantendo o tom utilizado pela gestão atual com seus mais altos cardeais. Mas fizeram questão de marcar presença.

Bap, por sua vez, já estivera na sede da CBF em fevereiro para participar de um conselho arbitral sobre o Campeonato Brasileiro. Ele tem grande poder na gestão Landim. É dos pilares que seguraram o técnico Abel Braga em momento crítico logo após a derrota para o Internacional, em Porto Alegre.

No percorrer por Federações de diversas modalidades, outros dirigentes rubro-negros da gestão atual constataram que o Flamengo era "pouco querido" por comprar apenas brigas públicas, via imprensa. A determinação, agora, é manter discrição para o mundo externo, mas ser um duro negociador nos bastidores.



Para isso, é necessário afinar o relacionamento com as entidades. As constantes visitas em tempos recentes de dirigentes de Atlético-MG e Corinthians, por exemplo, à sede da Conmebol chegaram aos ouvidos rubro-negros, que entendem ser necessário jogar o mesmo tipo de jogo. A reaproximação com a Ferj seguiu a mesma linha.

Durante o Campeonato Carioca, o Flamengo foi presença constante nas reuniões na sede da Ferj, muitas vezes via o diretor de relações externas, Cacau Cotta. O novo relacionamento gerou até mesmo um convite a Rubens Lopes, presidente da Ferj, para chefiar a delegação rubro-negra que foi até Montevidéu, onde o time enfrentou o Peñarol na última semana.



Nos bastidores, Lopes garantia que as desavenças com o Flamengo, principalmente, Bandeira de Mello são "águas passadas". Agora, o clube marca presença em sorteios de arbitragem, diferente do passado, e sorteios de chaveamento como o desta segunda, da Libertadores - a ausência do clube em um evento da Copa Sul-Americana em 2017 é dito como exemplo a ser seguido.


Fonte: http://www.espn.com.br/futebol/artigo/_/id/5614797/flamengo-muda-perfil-quer-mostrar-for%C3%A7a-nos-bastidores-e-tem-vit%C3%B3ria-antes-de-duelo-contra-corinthians

Curta nossa Página




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário