segunda-feira, 10 de junho de 2019

Jorge Jesus chega ao Flamengo mostrando estar bem informado, elogia Brasileirão e já critica Arena da Baixada



O português Jorge Jesus, 64, foi apresentado nesta segunda-feira, no CT Ninho do Urubu, como técnico do Flamengo. Ele chega para comandar o clube inicialmente por um ano.



"Eu normalmente faço isso, um ano de contrato. Se, depois de um ano, estiverem contentes com meu trabalho, renovamos", explicou.

O treinador, que além do Flamengo, tem apenas uma passagem pelo Al Hilal, da Arábia Saudita, como experiência de trabalho internacional, ouviu de Marcos Braz, vice-presidente do clube, o desejo de boa-sorte e mostrou ter estudado para chegar ao clube com a maior torcida do Brasil.

"Nós temos 20 dias para apresentar um trabalho (pausa para a Copa América)", disse. "Claro que conheço o elenco do Flamengo, eu já tive oportunidade de dizer isso várias vezes". E até já falou de contratações.



"Há uma contratação para acontecer. E que pode até ser duas", disse, olhando para o vice-presidente.

O treinador, que esteve no Maracanã para ver o empate com o Fluminense, comentou sobre a partida.

"Esse foi o segundo jogo que vi do Flamengo in loco. Vi um Minas (contra o Atlético-MG), que também não ganhou. E o de ontem", contou.

"Vi um Flamengo um pouco ansioso, mas é normal, num momento de retomada. Ontem, só houve uma equipe que jogou para querer ganhar"', afirmou.

Jesus elogiou o Campeonato Brasileiro.



"Na Europa, a intensidade do jogo é maior, e a temperatura ajuda. Mas é maior sem bola, porque, com bola o futebol brasileiro é muito intenso", disse. "Quem ão conhece muito o Brasileiro, tem ideia errada. É um campeonato muito difícil", afirmou.

"Eles (europeus) têm mania de que sabem tudo, mas não sabem qual é a qualidade e intensidade do Brasileiro", disse.

De cara, já começou também falando sobre o confronto com o Athletico Paranaense pela Copa do Brasil, mostrando que não está muito preocupado com a diplomacia.

Indagado sobre o gramado sintético do estádio de Curitiba, ele já disparou:



"A realidade é essa, jogar em campos sintéticos, poucos treinadores tem experiência, eu também não tenho muita", disse. "Dirigi um jogo de Champions League na grama sintética. É completamente diferente. Se eu pudesse decidir, campo sintético, não havia", disse. "Tem que levar em consideração também que a grama sintética pode gerar problemas físicos aos jogadores", afirmou.

Sobre o time que vai dirigir, ele mostrou estar afiado.

"Claro que conheço o elenco do Flamengo. Eu já tive oportunidade de dizer isso várias vezes. Eu vejo todos os jogos do futebol brasileiro na minha casa", afirmou. "O pay-per-view durante a semana passa todos os jogos", afirmou.



"Já fazia isso sem saber que poderia treinar o Flamengo. A partir do momento que soube, comecei a estudar melhor", afirmou.

Jesus comentou sobre os jogadores brasileiros que conhece e aqueles com quem trabalhou.

Começou falando pelos do próprio Flamengo.

"Diego não foi meu jogador, mas o conheço bem, teve passagem muito bonita e muito boa no Porto", disse.

"O Gabigol tava na Inter de Milão e eles tinham contratado por 45 milhões o João Mario, que era do Sporting. Eles eram muito amigos. E o Gabigol, um dia, disse que queria ir para o futebol de Portugal. Conversei com ele e disse a ele que viesse para o Sporting. Mas ele acabou indo para Benfica", falou, entre risos.



Depois, falou de nomes que ele conheceu mais de perto.

"Tive a oportunidade de lançar jovens que fizeram sucesso em Portugal, como David Luiz, Ramiro, Luisão, mas ele já jogara algumas vezes antes", disse. "Teve o Talisca, que saiu daqui desconhecido e hoje todos o querem na Europa".

"E teve o (goileiro) Julio Cesar, que trabalhou comigo em meu último ano de Benfica", disse.

"Em Portugal fomos habituados a muitos jogadores e treinadores brasileiros. Felipão, toda gente em Portugal o admira, pelo que fez na Copa e na Euro", disse.



E ainda comentou sobre a história rubro-negra.

"Em relação ao Zico, sei que foi um grande ídolo do Flamengo, do Mengão, tive a oportunidade de falar com ele quando ele foi visitar o Sporting. É um amigo que tenho ligado à história do Flamengo", disse.

"Ouvia falar de Júnior, Leandro. O Leandro jogou toda sua carreira foi no Flamengo, isso quer dizer alguma coisa", disse. "Zico caracterizava o símbolo do Flamengo em Portugal"

O técnico também falou sobre seu estilo de trabalho e suas conquistas.



"Meu passado como treinador está escrito, está feito. Tem importância porque treinadores também trabalham com seu currículo, até mostrarem trabalho no novo clube. Sou o treinador que mais ganhou títulos em Portugal", afirmou.

"Meu testemunho vai ser o que eu apresentar nesse trabalho e para mim isso é o mais importante".

"Minhas ideias são diferentes das de outros treinadores. Não vim revolucionar nada, mas vim apresentar meu feitio de trabalho".

Perguntado sobre o que pretende, ele afirmou que quer melhorar não só resultados, mas também o estilo de jogo do Flamengo.

"É Normal que quando tu treinas uma equipe como o Flamengo, das melhores do País, os torcedores, além da vitória, querem que a equipe tenha esse performance de qualidade, querem qualidade de jogo. Quem vem treinar e o jogador do Flamengo precisam saber que só ganhar não chega", disse


Fonte: https://www.espn.com.br/futebol/artigo/_/id/5716412/jorge-jesus-chega-ao-flamengo-mostrando-estar-bem-informado-elogia-brasileirao-e-ja-critica-arena-da-baixada

Curta nossa Página




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário